Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

Hoje lembrei-me

Setembro 16, 2018

O Triângulo Perfeito

transferir (2).jpg

 

O pudim da minha avó.

O pudim da minha avó era para gente gulosa.
Não era para magros, não. Nem para a malta das dietas. 
Nem para os amantes da aveia, das sementes, ou das infusões.
Pesadão e calórico, sem qualquer pretensão de ser light.
Era um pudim descomplexado. Feito à medida daquela avó, grande e volumosa. 
Que apesar de gordinha, nunca se negou a um bom repasto.

 

O pudim da minha avó era suave e aveludado. 
Sem grumos, desfazia-se rapidamente na boca. 
Tinha uma textura macia como já não se vê por aí.
A minha avó, cozinheira prendada, fazia o pudim com dedicação. Com gestos lentos e delicados. Com um sorriso no rosto.
Sempre dócil, tão meiga… Nunca a vi zangada!
Quanto muito, barafustava, mas sempre em pianíssimo.
O pudim da minha avó era tão doce como mel.
E a minha avó, terna e conciliadora, era doce como um pudim.

 

O pudim da minha avó era misterioso.
Tudo por culpa da minha avó, e da sua forma estranha de comunicar. 
Pois era “uma mão de açúcar”, e “nove ou dez ovos”. Mais “um bocadinho de água” e “algum” caramelo.
A sua receita era tão secreta como indeterminada.
E um pudim que é inquantificável, não se pode reproduzir.
Agora que me ponho a pensar, vejo que a minha avó também nunca falou muito de si. 
Tenho pena de não a ter conhecido melhor. Arrependo-me de não ter conversado mais com ela.
Tal como o pudim, a minha avó partiu sem se dar verdadeiramente a conhecer...
Levou consigo todos os segredos.
Deixou-nos com água na boca e um vazio no coração.

 

Nota: 

Fui por estes dias a uma festa e comi um pudim maravilhoso. Estava quase, quase tão bom como o pudim da minha querida avó!

Tenho tantas saudades dela que até doi. Infelizmente, já não está entre nós. 

Como me sentia inspirada, dediquei-lhe o poema que se encontra acima. As avós deviam ser eternas. Não acham?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me também em

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D