Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

A Santíssima Trindade dos Partos

Julho 16, 2018

O Triângulo Perfeito

Costumo dizer, na brincadeira, para o nascimento do Xavier foram necessárias 4 pessoas: um pai e três "mães". 

Sobre o pai e seu importante papel, falarei em breve.

Já as três mães - uma espécie de Santíssima Trindade dos Partos-  foram a mãe de corpo e alma (eu), a mãe técnica (enfermeira parteira) e a mãe suporte (a minha doula).

 

A mãe de corpo e alma

 

IMG_0002.JPG

 Com contrações ainda suportáveis, aproveitei um intervalo para selecionar a primeira roupinha do Xavier.

 

A mãe Ana desejou muito um segundo filho. De preferência, de parto normal.

Há milhares de anos que mulheres de todo o mundo, de várias raças e de vários tribos dão à luz assim. 

Curiosa, a mãe Ana sempre desejou saber o que sentiram essas mulheres durante aquele tipo de parto. E como o fizeram. E como aguentaram.

E que mecanismos fisico-químicos, hormonais, se poem em acção durante o processo. Ou não fosse a mãe Ana bióloga de formação. 

A mãe Ana sempre quis fazer parte do círculo das mulheres que fizeram parto normal.

Sempre quis entender essa espécie de segredo universal que se arrasta desde os primórdios da humanidade.

 

Mas....

 

Para isso, esta mãe teve que ultrapassar vários obstáculos.

A orientação de alguns médicos ("já não tem idade para esse tipo de parto") a descrença dos que a rodeavam ("Ui, vais tentar um parto normal, depois de uma cesariana?).

Mas sobretudo... a mãe Ana teve que ultrapassar a sua própria insegurança.

 

Durante os 9 meses de gravidez, a mãe Ana investigou muito, analisou estudos e teses, recolheu dados estatísticos sobre VBAC.

E foi ficando mais segura da sua decisão.

Para ter a certeza que, desta vez, tudo seria feito para respeitar o seu sonho, a mãe Ana selecionou o melhor hospital e cercou-se de pessoas que acreditam e valorizam o parto normal humanizado.

Para não vacilar ao longo do caminho, a mãe procurou o apoio da equipa da Gimnográvida.

Aí foi buscar o conforto, a tranquilidade e a certeza das suas opções.

No dia do parto... a mãe Ana dirigiu-se ao hospital na companhia do marido e da sua doula. 

Durante largas horas, suou, sofreu, chorou e... gritou.

Mas sempre de olhos postos no objetivo final, a chegada do seu bebé.

Nunca pensou em desistir (embora tivesse ficado muitoooo feliz quando chegou a bendita epidural, eh eh).

De magradugada, o milagre aconteceu. E foi a sensação mais intensa e espetacular do mundo.

Amor imediato, seguido de uma sensação de tranqulidade imensa.

Ao abraçar aquele ser minúsculo, a mãe Ana esqueceu as dores. E percebeu que tudo estava certo.

A mãe Ana está feliz.

 

 IMG_0013.JPG

 A suar durante uma contração daquelas bem chatinhas... apoiada no CUB (insuflável) as dores melhoravam um pouco.

Nesta fase, ainda estava vestida normalmente: o hospital deixa-nos ficar com a roupa que preferimos até à admnistração da analgesia.

 

IMG_0026 - 2.jpg

Estava na dúvida se punha aqui esta foto ou ñão (a bata não é lá muito sensual). Mas achei que valia a pena verem a minha cara de felicidade depois da aplicação da episural, ah ah. Neste hospital, a epidural é feita de uma forma que nos permite andar e adotar uma posição verticalizada, o que ajuda imenso à dilatação, para além de ser muito mais dvertido.

 

A mãe técnica

 

IMG_20180706_124617.jpg

 

Foi a enfermeira Élia que ficou encarregue do nosso parto, no Centro Hospitalar da Póvoa de Varzim. Mal a vi entrar na sala de partos, fiquei super contente.

Afinal, enfermeira Élia foi a primeira pessoa com quem falámos quando fomos fazer a visita guiada ao hospital, alguns meses antes. 

Gostei logo dela nessa altura, porque foi muito prestável a responder às nossas dúvidas e inquietações.

Achei engraçado que a mesma enfermeira nos tivesse "calhado" no momento do parto. Como acredito nestas coincidências cósmicas, vi logo que isso só podia ser um bom sinal. 

A enfermeira Élia é uma pessoa com uma boa disposição inesgotável, como aliás todas as enfermeiras do serviço de obstetrícia daquele hospital! E acreditem que isso ajuda muito durante o parto...

Tratou-me sempre com um sorriso no rosto, disse piadas... Sempre que entrava na sala de partos para saber como estavam a correr as coisas, fazia de tudo para tornar o ambiente mais leve. 

Enfim, sei que tentou "fazer conversa" durante as contrações mais fortes para ver se eu me distraía da dor (não conseguiu, mas aprecio a tentativa kkkk)

Comentou a minha playlist musical, perguntou-me pelos alunos...

Lembrava-se de coisas que eu lhe tinha dito naquela curta visita ao hospital, meses antes. Fiquei impressionada!

E basicamente deu-me a melhor notícia que uma mulher poderá receber durante um parto: Dilatação Completa, yeiiii!!!

Foi a enfermeira Élia que, em conjunto com a minha doula, me orientou durante o período expulsivo.

Nunca perdendo a calma, nem a tranqulidade. Mesmo quando eu fiquei a certa altura em pânico, as outras duas "mães" nunca perderam a postura. 

Foi a enfermeira Élia a primeira pessoa que tocou no Xavier. Foi ela que literalmente o agarrou nas alturas, para não se espalmar no chão, uma vez que dei à luz em pé (abençoado hospital que nos permite estas coisas...).

Para a enfermeira Élia, eu poderei ter sido apenas mais uma parturiente naquele já tão concorrido hospital.

Mas para mim ela será sempre especial. 

Obrigada, enfermeira! 

(obrigada a todas as enfermeiras daquele serviço de obstetrícia, que tão bem nos receberam!)

 

 A mãe suporte (doula)

 

IMG_0168.JPG

 A enfermeira/doula Joana numa consulta pós-parto, em minha casa. Pesou o bebé, fez teste do pezinho, viu o estado dos meus pontos. Um serviço eficaz.

 

Assim que percebi que queria tentar novamente um parto normal (já tinha tentado antes, mas acabei por ter de fazer uma cesariana de emergência), procurei ativamente todos os que me pudessem ajudar. 

Uma amiga com uma situação bastante semelhante à minha, falou-me da equipa da Gimnográvida.

Decidi que não custava nada ir conhecer este centro de preparação e acompanhamento no parto, situado na Boavista.

Na primeira consulta, poucos minutos de começar a falar com a enfermeira Isabel percebi imediatamente que tinha feito uma boa opção.

A enfermeira Isabel encheu-me de confiança, boas vibrações e energias positivas. Falou-me de estudos científicos, e de dados sobre parto normal (alguns desses já conhecia), sugeriu-me a visualização de alguns documentários sobre o assunto, fez-me um questionário abordando a minha história familiar e motivações...

Tudo isto para me conhecer melhor e poder ajudar-me.

Mais tarde, com o avançar das consultas, conheci também a enfermeira Joana (que acabou por ser a minha doula durante o parto) e 

fiquei cada vez mais segura. A enfermeira Joana é meiga, simpática, profissional e prestável. E revelou-se essencial para o sucesso do meu parto.

 

Nota: A gimnográvida também se dedica a apoiar partos domiciliários. No meu caso, e porque tive cesariana anterior, não quis arriscar e optei por fazer em contexto hospitalar com a doula presente. Quem sabe, no próximo parto (se o houver) não arriscarei algo assim?

 

No dia do parto, comecei a sentir contrações ritmadas por volta das 10 da manhã.

Como não queria ir muito cedo para o hospital, liguei de imediato à Joana (parteira/doula) da Gimnográvida, a qual me disse para cronometrar as contrações, ficando atenta a eventuais perdas de líquido. 

Instalei no meu telemóvel uma app da Google Play para controlo das contrações e passei algum tempo a fazê-lo. 

A Joana disponibilizou-se a vir a minha casa para me apoiar naquele momento, mas disse-lhe para não vir, porque as contrações ainda eram suportáveis. 

O tempo foi passando e a dada altura apercebi-me que estava a perder líquido amniótico em pequenas quantidades.

Liguei novamente à Joana que me disse para analisar a eventual presença de mecónio (não tinha) e começar a pensar em dirigir-me ao hospital. 

Tomei um banho relaxante, dei uma varridela à casa e estendi a roupa (sim, o síndrome do ninho arrumado atacou-me forte naquele momento) e decidi que estava na hora de ligar ao marido. 

Por volt das 6 da tarde chegámos ao hospital. A Joana chegou lá pouco depois disso e nunca mais nos abandonou até ao bebé nascer.

Com a sua experiência, deixou-nos mais tranquilos e confiantes. Quando uma contração vinha mais forte, acalmava-me dizendo que era "menos uma a faltar para o bebé nascer". 

Á medida que a dor ia aumentando, foi propondo estratégias para que eu conseguisse relaxar. Conduziu-me ao chuveiro do hospital, onde estive cerca de 40 minutos (please, não me mandem a conta da água). E que bem que souberam aqueles jatos relaxantes. 

Sugeriu-me exercícios na bola de pilates, fez-me massagens nas costas. Foi passear comigo e com o meu marido para as traseiras do hospital, para acelerar a dilatação. Quando vomitei (3 vezes...) descansou-me dizendo que era normal.

Dançou comigo no intervalo das contrações e sorriu sempre, sem mostrar inquietação.

Não me mandou pastar em nenhuma das vezes em que lhe apertei a mão com força, quase a ponto de lhe partir os dedos.

E nem quando entrei na "partolândia" e comecei a dizer coisas estranhas (sim, acontece...) ela se mostrou surpreendida ou chateada.

Assim que atingi a dilatação máxima, a Joana fez equipa com o meu marido e com a enfermeira para me guiarem na saída do bebé. 

Uma vez mais, a sua calma e segurança, transmitiram-me força.

Assim que o bebé nasceu, a minha doula transformou-se numa fotógrafa, registando os primeiros momentos do Xavier. 

Sei que ela teria gostado que eu conseguisse fazer "tudo" sem levar a bendita epidural. 

Mas assim que decidi optar pela analgesia, descansou-me dizendo que eu estava ali para dar à luz. Não era para ganhar nenhuma medalha, era para fazer nascer um bebé.

Já de magrugada, e antes de abandonar a nossa (já silenciosa) sala de parto, despediu-se com um beijinho e disse-me ao ouvido:

"És uma guerreira e saíste vitoriosa desta batalha. Nunca te esqueças disso".

 

Houve muitos guerreiros neste parto (incluindo o próprio Xavier). Mas foi uma guerra que valeu a pena travar.

Obrigada a todos...

Para que serve uma Doula?

Junho 30, 2018

O Triângulo Perfeito

o-papel-da-doula-no-parto-normal-ou-cesarea-foto-rlarroydcom-0000000000017878.jpg

 

Tem sido um longo (mas agradável) caminho, este que fiz em busca de um parto mais natural, respeitado e fisiológico.

Nessa jornada, algures pelo meio, encontrei algo que me deu mais confiança e tranquilidade: falo dos serviços de uma doula.

Honestamente, nunca pensei entrar nestes campos mais "alternativos", mas já devem ter visto num post anterior que as coisas por aqui... estão a mudar... :)

 

O que é uma doula?

 

A palavra Doula vem do grego e significa “mulher que serve”. O termo é, normalmente, utilizado para referir-se à mulher sem experiência técnica na área da saúde, que orienta e assiste a nova mãe durante o parto e, mais tarde, nos cuidados com bebé.

 

Hoje em dia, contudo, já existem médicos e enfermeiras parteiras que conciliam a sua atividade profissional com a função de doulas.

 

(O que é ótimo, pois para além do apoio psicológico, sabemos que podemos contar com conhecimentos científicos e até mesmo alguma ajuda técnica.)

 

O papel da doula é oferecer conforto, encorajamento, tranqüilidade, suporte emocional, físico e informativo durante o período de intensas transformações que a mulher está a viver.

 

Quando o parto é domiciliário, a doula tem um papel mais ativo, ajudando em todas as fases do processo.

Já quando a mulher dá à luz em contexto hospitalar, as coisas são um bocado diferentes: a doula deverá respeitar e não pode interferir nas decisões da equipa médica.

Neste caso, oferece apenas (e já é tanto!) o seu suporte, tranquilidade e experiência e encorajamento à futura mãe. 

 

Eu imagino as doulas como as claques nos jogos de futebol. Não são elas que marcam os "golos", mas estão ali a dar força e ânimo aos jogadores, eh eh. 

 

Ou então, podemos vê-las como o público de uma maratona. Aquele público que vai gritando pelo seu atleta favorito, que não o deixa desistir mesmo quando ele já está nas últimas. Ou como o apoiante que estende uma garrafa de água ao atleta, para que este mate a sua sede e consiga dar mais um passo em direção à meta.

 

 

Fomos a um círculo de partilha sobre Parto Natural

Maio 17, 2018

O Triângulo Perfeito

Olá!

Já aqui falei das minhas expetativas para este segundo parto (que espero ser bastante diferente do anterior). Também já expliquei as razões que me levaram à escolha do Centro Hospitalar da Póvoa de Varzim.

Desta vez, vou falar um pouco do percurso (interior e exterior) que tenho feito na minha busca pelo parto ideal.

Costuma-se dizer que "o caminho faz-se caminhando".

É uma frase redundante e aparentemente tola, mas que tanto significado contém...

Na minha procura pelo parto "adequado", tenho adotado uma postura ativa. Tenho "caminhado", procurado todos os meios/pessoas que me possam dar uma ajuda. 

Enfim, tento dar todos os passos ao meu alcance para atingir o objetivo que tanto almejo: um parto humanizado.

Pessoas a dizer mal do parto normal e a contarem histórias tristes... bem... isso é muito fácil de encontrar. Começa logo no seio familiar, com as histórias dos avós, das nossas mães... sempre recheadas daqueles pormenores macabros que preferíamos não ouvir... Depois, basta irmos à internet para encontrarmos esses (inúmeros) testemunhos.

Nem sempre é fácil encontrar pessoas com histórias bonitas e dispostas a partilha-las. E foi essa a razão que me levou (a mim e ao meu marido) a participar num "círculo de partilha".

 

(este círculo foi dinamizado pela Gimnográvida: um centro de preparação para o parto e maternidade. Se vivem na zona do Porto e procuram alguém que vos apoie fisica e psicologicamente para todos os momentos do parto, então sugiro uma visita a este centro que é es-pe-ta-cu-lar...)

 

Nessa tertúlia tivemos a oportunidade de ouvir os relatos de 3 casais que conseguiram um parto normal, sem traumas e sem sequelas psicológicas. Isso é possível? Claro que sim!

Foi muito bom ouvir, finalmente, alguns relatos com um final feliz.

O primeiro casal teve o filho na água, mas em contexto hospitalar. O segundo casalmteve o filho em casa com apoio de uma parteira especializada. O terceiro casal teve o filho em contexto hospitalar.

Em nenhuma das situações houve recurso a fármacos (epidural, occitocina, etc.).

Se foi tudo perfeito? Claro que não. Em todos os partosexistiram peripécias e desvios ao "plano inicial". Mas aqueles casais conseguiram, aparentemente, o que queriam - respeito, confiança, apoio...

E é por isso que (mesmo apesar de nem tudo ter sido perfeito), vi sorrisos no rosto. Vi todos os casais a falarem com visível orgulho e satisfação. 

Foi muito importante para mim e para o meu marido ouvirmos estas histórias.

É sempre bom ouvir coisas positivas que nos transmitem confiança ou otimismo, não é?

Não sei se terei coragem para optar por um parto completamente fisiológico (sem recurso a fármacos), mas agora JÁ sei que há muitos partos assim que correm bem.

É como as bruxas... Ninguém quer acreditar, mas como dizem os espanhóis "que las ha, las ha"!! 

Eh eh! :))

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me também em

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D