Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Durante quanto tempo vou achar piada a isto?

O Triângulo Perfeito, 03.10.18

Com 2 anos de idade (quase a fazer 3) o Vasco já tem um domínio quase perfeito da língua portuguesa. Mas de vez em quando, como qualquer miúdo da sua idade, vai dando os seus "pontapés na gramática". 

Há certas expressões/palavras que não saem como devem sair... E eu acho imensa graça a esses enganos! Aqui vão alguns exemplos:

 

"Eu fazi (fiz) chichi no pote"

"Aquele peixe não se mexe por está morrido (morto)"

"A Joana é mais pequena que mim (eu)"

"Emprocuras-me (encontras-me) o carro?"

"Procurei! Procurei! (encontrei)"

"Da-me esse carinho de curroque (reboque)"

"Curroca!, Curroca! (reboca)"

"Quero pissaaaaaaa! (pizza... esta deixa-me em apuros, eh eh)

"Vimos muitos murros (burros) na quinta"

" Eu quero um chouriço-cacheiro!"

"O camarão (tubarão) tem dentes muito grandes!"

 

E pronto! Deve haver mais, mas estas são as pérolas de que me lembro neste momento.

Sei que esta é uma daquelas coisas a que só os pais da própria cria acham piada.

Mas como este é, também, um blogue de memórias, achei por bem deixar registado.

A minha pergunta é... até quando vou achar piada a isto? :)

Não quero que ele venha da escola primária a dizer que já "fazeu" os trabalhos de casa... Por isso sinto que o hiato temporal de "engraçadisse" da coisa é muitoooo curto...

Tirem-me deste filme

O Triângulo Perfeito, 15.06.18

diferenc3a7as.jpg

Ontem, a meio de um passeio o Vasco começa a palrar sobre as diferenças anatómicas entre meninas e meninos.

- Sabes mamã, o Vasco tem pilinha porque é menino.

E aponta para a sua pilinha, para eu perceber.

Continua a conversa, enquanto caminhamos.

- Sabes mamã, tu não tens pilinha, mas sim um pipi, Porque tu és menina!

Ainda eu estava a abrir a boca para lhe responder "muito bem", quando o miúdo mete a mão no meio das minhas pernas e... pas!

Sem que eu tenha tempo de reagir levanta-me o vestido todo até acima. Deixado bem visíveis as minhas cuecas.

- O teu pipi é aqui mama! Não é?

Tudo isto em milésimos de segundo, não me dando possibilidade de reagir.

No meio da rua. Na rua mais movimentada da cidade...

Pessoas passaram naquele momento e viram-me as cuecas. Que interessante, sobretudo se tiveremos em conta que um dia planeio voltar a dar aulas na minha terra...

Uma senhora riu-se do espetáculo, com ar maternal.

Baixei rapidamente o vestido e continuei a andar. (como dizia o outro, é sorrir e acenar, sorrir e acenar...)

Acabei por me rir também, sozinha, da situação insólita, enquanto explicava ao Vasco que "não se deve andar a levantar os vestidos às meninas"...

Na terceira pessoa

O Triângulo Perfeito, 10.07.17

 19495647_1560314624009746_2070682968_o.jpg

 

O Vasco reconhece bem o seu nome, mas só há bem pouco tempo começou a dizê-lo. 

É muito engraçado, porque fala sempre de si na terceira pessoa: " O Tato (vasco) quer pêra", "O Tato fecha a porta", etc, etc. 

 

Estive a pesquisar e percebi que isto é muito comum na idade dele (20 meses). 

 

Entretanto, desenvolveu tanto a linguagem que já não consigo fazer uma lista das palavras novas, como tinha feito em posts anteriores. 

 

Outro aspeto em que noto evolução é na construção frásica.

Já ouço o meu bebé dizer frases curtas e com algum sentido. Fico toda contente. 

Ultimamente, anda com a mania do: "Xô, mamã. Xô!"  Aí já não acho tanta graça, eh eh.

(estou a mentir, por acaso acho piada quando ele me enxota tal como eu faço às gatas).

 

Curiosa para saber como vão ser as próximas fases!

Palpita-me que ainda me vou rir muito com este pequenote.