Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

Novembro 05, 2018

O Triângulo Perfeito

IMG_0099 (2).JPG

 

O Xavier fez ontem 4 meses. E são 4 meses de amamentação exclusiva. Estou feliz, muito feliz. 

Acima de tudo sinto que o "pior" (dores iniciais, intervalos de amamentação super curtos) já passou. Agora sim: começo, finalmente, a desfrutar dos momentos a dois.

Com o Vasco (1º filho) a "maminha" terminou aos 4 meses... por isso tinha estabelecido para mim própria uma meta pessoal. Tinha como objetivo ultrapassar esse timing no segundo filho.

Dizia muitas vezes ao meu marido que se conseguisse amamentar o Xavier durante 4 meses + 1 DIA... já era uma vitória em relação à experiência anterior, eh eh :)

Com o Vasco a amamentação foi sempre mista (mama + complemento) e acredito que isso, juntamente com a personalidade dele (super ativo, não conseguia ficar mais que 3 minutos no colo) fez com que o aleitamento materno terminasse tão cedo.

Desta vez, parece-me que a "coisa" está para ficar. O Xavier adora mamar (até demais, pois não aceita biberão) e tem-se desenvolvido muito bem. E é uma dupla vitória porque não só consegui chegar aos 4 meses, como o fiz sempre em amamentação exclusiva, ao contrário do que aconteceu com o mano mais velho.

A meu favor, tenho o facto de nunca ter sofrido mastites por isso o processo não me custou muito.

 

Não posso dar receitas milagrosas porque não sou uma expert no assunto, mas no meu caso funcionou bem:

 

- Purelan (doses e doses nos primeiros dias)- empastar bem a auréola logo a seguir a uma mamada e deixar estar assim, meio peganhento até à mamada seguinte;

- Maminhas ao léu;

- Alternar as duas maminhas sempre, para não encaroçar a menos usada.

- Livre demanda (no meu caso foi até aos 3 meses; agora que o bebé já está mais crescido já vou "alargando" um pouco mais os intervalos)

A livre demanda, embora super cansativa, para mim foi muito importante... Primeiro porque estimulou bastante a produção de leite. Segundo, porque me livrou das mastites. Sempre que a maminha começava a ficar mais cheia e a querer "encaroçar", o Xavier mamava e desfazia o caroço.

- Extração de leite nas primeiras semanas: neste momento já não tenho necessidade porque a quantidade de leite que produzo está na medida certa daquilo que o Xavier mama (a ver vamos se assim continua...) Mas no início, houve alturas em que eu produzia mais leite do que aquilo que ele era capaz de mamar. Para evitar "caroços" e dores, em algumas ocasiões extraí leite após a mamada. Confesso que não gosto nada de extrair com a máquina, acho um bocado desagradável. Mas consegui retirar algumas vantagens dela.

 

Este não pretende ser um "bragging post". Estou apenas a relatar esta segunda experiência de amamentação, assim como relatei com detalhes a primeira experiência. Estou satisfeita, reconheço. E quero deixar aqui registado (porque este blog é também o registo das minhas memórias e sentimentos) a felicidade que sinto. Só isso... 

 

 

 

 

 

Junho 18, 2018

O Triângulo Perfeito

 IMG_20151129_122701 (3).jpg

No último parto, logo na primeira mamada foi-me oferecido leite de fórmula, tendo eu aceite sem hesitar, um pouco por inexperiência.


Aconselharam-me a oferecer sempre a mama em primeiro lugar e, só depois o leite de fórmula.

Fiz sempre assim e resultou bem, muito honestamente. O Vasco engordou 500 g nas duas primeiras semanas, enquanto outros bebés emagreceram. 


Procedi da mesma forma até ao fim da amamentação: primeiro dava mama, depois leite de fórmula. Sempre assim. 


No meu caso a amamentação terminou por volta dos 4 meses. Fiquei com pena, mas a verdade é que o Vasco não queria mamar mais. Só queria o biberon...

 

THoje penso nisto...

Terá abandonado tão cedo por causa deste método? Deveria ter deixado o leite de fórmula mais cedo?

Ou... eu não deveria ter dado esse leite sequer??

 


Entretanto, vou mudar de hospital (para um público) e percebi que lá não oferecem o leite em pó, a não ser que a mãe peça ou em casos excecionais, pois defendem que o leite da mãe é suficiente.


Eu concordo com a ideia, mas fico na dúvida... é que sejamos realistas, nas primeiras mamadas não sai quase nada!

Como podem ser suficientes aquelas pequenas gotas?


Conheço amigas que acabaram por ter que dar o leite de fórmula porque o bebé já estava a ficar desidratado...

Os bebés a berrarem com fome e as técnicas sempre a insistirem e a dizerem que o leite da mama era suficiente...

Um desses bebés teve que regressar ao hospital, dois dias depois de sair, num quadro enorme de desidratação... A coisa esteve má, e afinal era fome/sede.

 

Sou defensora da amamentação. Dei mama e quero voltar a dar. O máximo de tempo possível!

Mas pergunto... Não se estará a cair no exagero, ao pressionar as mães para amamentarem a qualquer custo? Não seria melhor avaliar-se caso a caso...?

 

Será assim tão errado dar leite de fórmula como complemento para a amamentação materna, pelo menos até ao leite da mãe ser em quantidade suficiente?

Será errado complementar nem que seja nas primeiras vezes (e ir abandonando pouco a pouco) até pelo menos à descida do leite?

 

Eu vejo mães desesperadas, com filhotes aos berros, e elas a queixar-se que eles não dormem (como poderão dormir, se têm fome?) e... não lhes dão leite de fórmula porque estão completamente "formatadas" pela ideia da amamentação materna.

 

E como tudo na maternidade é uma "competição", dar leite de fórmula é daquelas coisas que ninguém quer fazer ou admitir que faz.

 

Tenho medo do que me vai acontecer no novo hospital

Serei capaz de amamentar em exclusivo? Será que o meu filho vai ter fome? 

E se tiver fome durante a noite? Terei acesso fácil ao leite em pó?

Prometo que desta vez, não vou usa-lo até aos 4 meses.

(Sim, acredito cada vez mais que essa terá sido a causa do desmame precoce; quem é que quer maminha quando o biberon é tão mais fácil))

Mas completar menos até à descida do leite... será errado?

 

O que pensam sobre isto, as mamãs da blogosfera?

Novembro 22, 2016

O Triângulo Perfeito

.

 

Segundo uma notícia que li recentemente, a Direção de Geral de Saúde vai criar uma norma nacional sobre a preparação de leite em pó para bebés. O objetivo é informar os cidadãos e evitar os erros que muitas pessoas cometem nesse processo.

As duas regras fundamentais para uma boa preparação do leite, de acordo com a DGS, são:

 

- utilizar sempre água fervida e não água de garrafa, pois a água engarrafada não é estéril. 

- adicionar o pó com a água a pelo menos 70º, para que as bactérias morram todas.

 

Isto é tudo muito bonito, mas não é nada prático, e também não é muito fácil de operacionalizar... A verdade é que, nos primeiros meses do Vasco, cá em casa, seguimos as duas regras à risca. A partir dos 4 meses tornou-se muito complicado. Passo a explicar:

 

Até aos 4 meses, o Vasco foi amamentado com o meu leite. O leite em pó era dado apenas como suplemento/reforço no final da mamada. Assim, enquanto eu dava de mamar, o meu marido ia até à cozinha e preparava o leite em pó seguindo as instruções criteriosamente. 

Fervia a água, adicionava o leite ainda com a água bem quente, e depois deixava a arrefecer. Tudo isto demorava cerca de meia hora, mas não havia problema, já que esse era o tempo que eu demorava a dar de mamar. Quando o Vasco acabava de mamar, o leitinho do biberão já estava morno e ele tomava o suplemento. Simples e eficaz. 

A partir dos 4 meses, o Vasc começou a rejeitar completamente a mama e passou apenas para a fórmula. A logística que seguíamos até ali para preparação do leite, continuou a ser usada durante o dia, mas à noite tornou-se impossível. E porquê?

Porque o nosso bebé acordava a meio da noite cheio de fome, a chorar imenso e, claro, sem paciência alguma para esperar a tal meia hora que era necessária para a preparação correta do leite de fórmula. 

Enquanto ele berrava a plenos pulmões na caminha dele (e não adiantava nada dar-lhe a mama, nem colocar a chupeta porque o que ele queria era leite de biberão e mais nada!) lá ia eu velozmente reparar o leite de fórmula, a tentar ser o mais rápida possível.

Mas não me livrava de o fazer esperar pelo menos 20 minutos. Comecei então a explorar alternativas:

 

1º Alternativa: Inicialmente, optámos por ter um frasco de leite já feito no frigorífico e aquecê-lo no aquecedor de biberões na hora em que Vasco acordava. Hum... não resultou. Aqueles sete minutos que o leite demorava a aquecer pareciam uma eternidade perante o berreiro do Vasco. Acabei por abandonar rapidamente esta solução porque li em qualquer lado que preparar o leite com antecedência levava ao crescimento de bactérias. E quanto mais tempo o leite ficava no frigorifico mais bactérias cresciam. Bem, uma semana depois já tinha desistido deste método.

 

2º Alternativa: Para acelerar um pouco a coisa, comecei a arrefecer o leite por baixo da torneira de água fria, logo após a sua preparação. Mas aqui já temos um erro não é? Quer dizer... de que adianta colocar o pó com a água a ferver, se logo a seguir vamos «colocar o frasco debaixo de água fria?

Isto levou-me a refletir sobre uma questão: Quanto tempo demoram exatamente as bactérias a morrer? É que ainda ninguém veio esclarecer este ponto. A questão é simples. Se as bactérias só precisarem de contatar um ou dois minutos com a água a 70º para morrerem, então não há problema em esperar esses dois minutos e depois esfriar o leite na torneira. Agora... se me disserem que as bactérias precisam para aí de 10 minutos para morrer... nesse caso, colocar o leite debaixo de agia logo após a sua preparação, se calhar já foi assim tão correto. 

Penso que nesse aspeto, a DGS é omissa em informações porque nada diz acerca disto. Contudo, esta alternativa deve ser a melhor, porque o Vasco esteve recentemente internado no hospital e era desta forma que as enfermeiras me aconselhavam a preparar o leite para ele. Quando comentei com as enfermeiras que em casa já estava a usar a 3º alternativa (ver abaixo), mostraram-se um pouco chocadas. Disseram-me logo que ali tinha que preparar o leite "como deve ser". 

Concordo com elas, mas a verdade é que naqueles 4 dias em que estive no hospital com ele, toda a gente ficou a saber a potência dos pulmões do Vasco. Sempre que acordava a meio da noite e não tinha o leite pronto rapidamente era o caos. 15 minutos de suplício, a tentar esfriar o frasco debaixo da torneira. A pontos de as próprias enfermeiras virem queixar-se do ruído. Mas que podia eu fazer?

 

3º Alternativa e a que usamos até hoje (Deus me perdooe, mas é a mais prática!): A partir dos 6 meses do Vasco, tivemos que tomar uma decisão. Ou o deixávamos chorar baba e ranho durante os minutos de preparação do leite mais o tempo de esfriar na torneira (tudo junto levava cerca de 15 minutos com ele a berrar e a espernear) ou encontrávamos outra solução.

Hoje em dia, temos sempre em casa:

  1. um termo com água a ferver que é mantida quente durante toda a noite.
  2. um recipiente com água fervida, mas fria.

Quando o Vasco acorda e quer leite, adicionamos ao biberão um pouco de água quente, e logo a seguir água fria- ou seja, temperamos a água de modo a que fique a uma temperatura boa para ele beber. Já sabemos a medida exata de água fria e quente para conseguirmos os 210 ml, que é o total que ele bebe. A seguir adicionamos o leite em pó e agitamos.

Tudo isto demora.... uns abençoados 2 minutos!

Eu sei... crucifiquem-me... o leite não vai ficar estéril... as bactérias não vão morrer todas porque quando coloco o leite em pó, a água já está morninha... Mas o processo tornou-se muito simples, o Vasco não chega a ficar muito chateado e logo que acaba de beber o leite, arrota e adormece. 

Dantes... berrava tanto à espera do leitinho, que depois já não o conseguiamos adormecer de tão "excitado" que estava.

Hoje em dia, o Vasco já dorme a noite toda, ou acorda apenas uma vez e nem sempre pede leite. Mas continuo a matutar neste assunto.

 

 E vocês, como preparam o leite? Já alguma vez se depararam com estes dilemas? Serei muito má mãe por preparar o leite desta forma? Fico à espera de opiniões! 

Sigam-me também em

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D