Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

Dezembro 12, 2019

O Triângulo Perfeito

80257371_1089076711434868_93360356948180992_o.jpg

Ontem, no insta, uma seguidora pediu-me conselhos sobre este assunto e dei-me conta que realmente nunca tinha tocado no assunto aqui no blogue.
Por isso aqui seguem cinco estratégias que usámos com o Vasco e que tiveram algum sucesso:

1- Falar sempre da chegada do mano como sendo um acontecimento muito positivo. São de evitar aquelas frases amargas como "estás mesmo a precisar de um mano para deixares de ser egoísta ", "quando a tua mana chegar vais aprender a partilhar!" , "estás um mimado, faz-te falta um mano". Todas estas frases ( e outras do género) apresentam o mano como um elemento que vai castigar, disciplinar e trazer coisas menos agradáveis. Por isso... evitem cair na tentação de dizer isto e aconselhem as pessoas próximas a fazer o mesmo.

2- Dar como exemplo outros colegas da mesma sala ou turma que já têm manos e mostrar como são felizes por terem alguém com quem brincar em casa.

3- Envolver a criança nos preparativos para a chegada do mano. Por exemplo, podem ir com ela à loja de vestuário e deixa-la escolher algumas roupinhas.

4‐ No dia do nascimento do bebé... não acho muito boa idéia avisar que estamos a ir para o hospital porque isso cria uma ansiedade extrema na criança. Ela vai estar sempre a perguntar aos adultos a quem ficou entregue se o bebé já nasceu e vai entrar em stress. É preferível pedir a alguém (avós por exemplo) que vá buscar a criança à escola e tentar proporcionar-lhe um dia normal dentro do possível. Até porque não se sabe quantas horas vai durar o parto.

5- Se a ideia é que o pai fique com a mãe durante a noite no hospital (há partos que se prolongam pela noite fora), convém perceber se o mano mais velho se vai sentir feliz em dormir em casa dos tios ou avós. Ou seja, se a criança não estiver habituada a dormir fora de casa ela vai sentir esta mudança de rotina como uma coisa má. Poderá associar a chegada do mano ao facto de ficar entegue a terceiros, sentindo-se abandonada pelos pais. Por isso, não seria má ideia ir habituando o mano mais velho a dormir de vez em quando em casa de familiares. Desse modo, esta alteração de rotina não será tão drástica.

E então? Que acham? Concordam, discordam, acrescentariam mais alguma coisa?

Gostavam que vos desse também algumas estratégias para ajudar o mano mais velho nos dias a seguir ao parto? 😀

Junho 08, 2019

O Triângulo Perfeito

O Vasco adora irmão, mas está sempre a tocar lhe, a beliscar e a tirar lhe os brinquedos da mão. O Xavier vai aguentando tudo com uma paciência estoica mas claro que às vezes também se enerva e passa-se dos carretos. 
Normalmente, é o Xavier que chora por causa das tropelias do irmão mais velho. Mas ontem foi diferente... estava no meu quarto e de repente o Vasco vem ter comigo a chorar.

- O Xavi mordeu me! - lá foi ele dizendo pelo meio dos soluços.

Bem... parece que o mano bebé se fartou de ser torturado. O Xavier já se sabe defender e algo me diz que vêm aí tempos conturbados...

Maio 27, 2019

O Triângulo Perfeito

Um adora tirar fotos. O outro sente que há coisas bem mais divertidas para fazer.
Um adora fazer pose. O outro... está-se a marimbar 
Um é tranquilo. O outro é um furacão saltitante.
Um gosta de música. O outro gosta de correr e saltar.
Tão lindos. Tão diferentes. Tão amados. E tão meus!
Percebo perfeitamente um e outro.
Porque sou uma mistura dos dois. 
E amo os dois intensamente, com todas as suas variações.

IMG_2042.JPG

 

IMG_2041.JPG

 

 

Junho 25, 2018

O Triângulo Perfeito

Como filha mais nova, senti muitas vezes que não recebia tanta atenção e que ninguém parava para ouvir o que eu tinha para dizer.

Não digo que não seja natural, uma vez que ter um filho é diferente de ter dois.

Não sinto mágoa em relação a isso (mentira, sou uma ciumenta do caraças), aceito que é a lei da vida. Porque há coisas que não se podem mudar.

As grandes conquistas como por exemplo, aprender a andar, a falar, a escrever, a contar e a dizer coisas engraçadas já tinham sido feitas 4 anos antes pelo meu irmão.

Tendo sido ele o primeiro, às vezes penso que poderá até ser natural essas conquistas serem vividas com (mais) emoção pelos meus pais.

Deve ter sido uma loucura quando ele disse mamã e papá pela primeira vez...

 

Imagino isto, ao mesmo tempo que recordo as primeiras palavras do meu filho Vasco.

Sentirei a mesma alegria quando o Xavier começar a falar? Continuarei a tirar 300.000 fotografias por segundo?

Será que também vou filmar quando o Xavi fizer o seu primeiro cocó no pote?

Haverá amor como o primeiro? E havendo (acredito que sim) serei capaz de o demonstrar?

E como posso garantir que a mensagem chegue inequivocamente ao destinatário sem deturpações? (porque talvez a dificuldade maior seja esta)

 

Eu fui a cópia, a imitação. Chegando em segundo lugar, às vezes penso que não vim acrescentar nada de novo. E sei que o sentimento tanto pode ser válido, como não ser. Todos nós temos bichinhos na cabeça. Uns são reais, outros apenas imaginários.

E é, por isso, com grande excitação, preocupação, ansiedade, que preparo a chegada deste segundo grande amor.

 

Quero que se sintam iguais. Os dois manos.

Quero que se vejam como idênticos no meu carinho, paciência e dedicação. 

 

Por isso... vou dando pequenos passos... devagarinho...

 

Hoje fui buscar a uma loja, as letra de madeira a dizer "Xavier" que encomendei há uns tempos.

IMG_20180625_121923.jpg

 

IMG_20180625_121917.jpg

São lindas e... propositadamente diferentes das letras do Vasco. Outro material, outro formato, outro tamanho...

Isto porque quero que percebam, desde tenra idade, que cada um deles é único e especial

Iguais no amor (que lhes dou) podendo ser diferentes em tudo o resto.

 

 

Dezembro 27, 2017

O Triângulo Perfeito

Com a chegada do primeiro filho, dá-se início a uma fase de encantamento, agitação, emoções fortes e amor sem limites. 

Durante algum tempo (que pode ir de meses a anos) rejeitamos completamente a ideia de ter um segundo bebé.

O cansaço, as noites sem dormir e a perceção de que aquele primeiro bebé ainda é tão indefeso são factores que nos fazem afastar durante algum tempo a ideia de lhe dar um irmão. 

Algumas pessoas acham que os irmãos devem ser bem espaçados no tempo, pois assim os pais podem "descansar" um pouco no intervalo entre um e outro.

Há também quem defenda que é muito mais fácil ter um segundo filho, quando o primeiro já é autónomo. 

É frequente ouvirmos a afirmação "Só vou ter o segundo, quando o primeiro desfraldar!" - opinião com a qual concordo, pois é tudo muito mais fácil quando o primeiro já ganhou alguma independência.

 

Contudo...

 

Eu e o meu irmão temos uma diferença de idades grande (5 anos). A isso soma-se o facto de ele ser rapaz e eu rapariga, o que fez com que eu me sentisse sempre filha única (solidão....)

Senti imensa falta do companheirismo, das brincadeiras a dois, de poder participar nos mesmo programas que o meu irmão. Por ser a mais nova e, portanto, a mais infantil fui deixada de parte em várias situações. 

Nunca consegui acompanhar o meu irmão nas suas brincadeiras, ora porque eram brincadeiras de rapaz, ora porque eram demasiado elaboradas (como alguns jogos de computador) para que eu pudesse participar. 

Quando o meu irmão começou a sair à noite, eu ficava em casa porque ainda era uma catraia. Quando ele começou a namorar, eu ainda brincava com bonecas. Eu olhava para ele como um ídolo. Ele olhava para mim como uma chata. 

Embora vivessemos na mesma casa, sempre fomos entidades separadas. 

E apesar de todo o amor que tínhamos um pelo outro, era difícil encontrar um brinquedo, um jogo, um tema de conversa que nos unisse.

 

Por isso...

 

Decidi desde logo que se um dia tivesse dois filhos, eles teriam que ter idades muito aproximadas. E desejei, por tudo o que vivi, que fossem do mesmo sexo. 

A vida brindou-me com tudo isso. Em outubro, finalmente arranjei coragem e... cá estou de novo à espera de um menino!

É verdade! O Vasco vai ganhar um irmaozinho... Mais uma mamã para o SAPO BLOGUES. 

Beijinho a todos!  Fiquem atentos aos próximos posts, onde vou falar um pouco mais sobre esta segunda gravidez. 

 

 

Sigam-me também em

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D