Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Triângulo Perfeito

Um blogue de pessoas imperfeitas. A viver num triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Um blogue de pessoas imperfeitas. A viver num triângulo perfeito.

Quando ter um segundo filho?

Com a chegada do primeiro filho, dá-se início a uma fase de encantamento, agitação, emoções fortes e amor sem limites. 

Durante algum tempo (que pode ir de meses a anos) rejeitamos completamente a ideia de ter um segundo bebé.

O cansaço, as noites sem dormir e a perceção de que aquele primeiro bebé ainda é tão indefeso são factores que nos fazem afastar durante algum tempo a ideia de lhe dar um irmão. 

Algumas pessoas acham que os irmãos devem ser bem espaçados no tempo, pois assim os pais podem "descansar" um pouco no intervalo entre um e outro.

Há também quem defenda que é muito mais fácil ter um segundo filho, quando o primeiro já é autónomo. 

É frequente ouvirmos a afirmação "Só vou ter o segundo, quando o primeiro desfraldar!" - opinião com a qual concordo, pois é tudo muito mais fácil quando o primeiro já ganhou alguma independência.

 

Contudo...

 

Eu e o meu irmão temos uma diferença de idades grande (5 anos). A isso soma-se o facto de ele ser rapaz e eu rapariga, o que fez com que eu me sentisse sempre filha única (solidão....)

Senti imensa falta do companheirismo, das brincadeiras a dois, de poder participar nos mesmo programas que o meu irmão. Por ser a mais nova e, portanto, a mais infantil fui deixada de parte em várias situações. 

Nunca consegui acompanhar o meu irmão nas suas brincadeiras, ora porque eram brincadeiras de rapaz, ora porque eram demasiado elaboradas (como alguns jogos de computador) para que eu pudesse participar. 

Quando o meu irmão começou a sair à noite, eu ficava em casa porque ainda era uma catraia. Quando ele começou a namorar, eu ainda brincava com bonecas. Eu olhava para ele como um ídolo. Ele olhava para mim como uma chata. 

Embora vivessemos na mesma casa, sempre fomos entidades separadas. 

E apesar de todo o amor que tínhamos um pelo outro, era difícil encontrar um brinquedo, um jogo, um tema de conversa que nos unisse.

 

Por isso...

 

Decidi desde logo que se um dia tivesse dois filhos, eles teriam que ter idades muito aproximadas. E desejei, por tudo o que vivi, que fossem do mesmo sexo. 

A vida brindou-me com tudo isso. Em outubro, finalmente arranjei coragem e... cá estou de novo à espera de um menino!

É verdade! O Vasco vai ganhar um irmaozinho... Mais uma mamã para o SAPO BLOGUES. 

Beijinho a todos!  Fiquem atentos aos próximos posts, onde vou falar um pouco mais sobre esta segunda gravidez. 

 

 

Sigam-me também em

14 comentários

Comentar post