Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

Qui | 17.05.18

Fomos a um círculo de partilha sobre Parto Natural

O Triângulo Perfeito

Olá!

Já aqui falei das minhas expetativas para este segundo parto (que espero ser bastante diferente do anterior). Também já expliquei as razões que me levaram à escolha do Centro Hospitalar da Póvoa de Varzim.

Desta vez, vou falar um pouco do percurso (interior e exterior) que tenho feito na minha busca pelo parto ideal.

Costuma-se dizer que "o caminho faz-se caminhando".

É uma frase redundante e aparentemente tola, mas que tanto significado contém...

Na minha procura pelo parto "adequado", tenho adotado uma postura ativa. Tenho "caminhado", procurado todos os meios/pessoas que me possam dar uma ajuda. 

Enfim, tento dar todos os passos ao meu alcance para atingir o objetivo que tanto almejo: um parto humanizado.

Pessoas a dizer mal do parto normal e a contarem histórias tristes... bem... isso é muito fácil de encontrar. Começa logo no seio familiar, com as histórias dos avós, das nossas mães... sempre recheadas daqueles pormenores macabros que preferíamos não ouvir... Depois, basta irmos à internet para encontrarmos esses (inúmeros) testemunhos.

Nem sempre é fácil encontrar pessoas com histórias bonitas e dispostas a partilha-las. E foi essa a razão que me levou (a mim e ao meu marido) a participar num "círculo de partilha".

 

(este círculo foi dinamizado pela Gimnográvida: um centro de preparação para o parto e maternidade. Se vivem na zona do Porto e procuram alguém que vos apoie fisica e psicologicamente para todos os momentos do parto, então sugiro uma visita a este centro que é es-pe-ta-cu-lar...)

 

Nessa tertúlia tivemos a oportunidade de ouvir os relatos de 3 casais que conseguiram um parto normal, sem traumas e sem sequelas psicológicas. Isso é possível? Claro que sim!

Foi muito bom ouvir, finalmente, alguns relatos com um final feliz.

O primeiro casal teve o filho na água, mas em contexto hospitalar. O segundo casalmteve o filho em casa com apoio de uma parteira especializada. O terceiro casal teve o filho em contexto hospitalar.

Em nenhuma das situações houve recurso a fármacos (epidural, occitocina, etc.).

Se foi tudo perfeito? Claro que não. Em todos os partosexistiram peripécias e desvios ao "plano inicial". Mas aqueles casais conseguiram, aparentemente, o que queriam - respeito, confiança, apoio...

E é por isso que (mesmo apesar de nem tudo ter sido perfeito), vi sorrisos no rosto. Vi todos os casais a falarem com visível orgulho e satisfação. 

Foi muito importante para mim e para o meu marido ouvirmos estas histórias.

É sempre bom ouvir coisas positivas que nos transmitem confiança ou otimismo, não é?

Não sei se terei coragem para optar por um parto completamente fisiológico (sem recurso a fármacos), mas agora JÁ sei que há muitos partos assim que correm bem.

É como as bruxas... Ninguém quer acreditar, mas como dizem os espanhóis "que las ha, las ha"!! 

Eh eh! :))

4 comentários

Comentar post