Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

Cuidado... muito cuidado com o que dizes mamã...

Com dois anos e meio o Vasco fala fluentemente e já diz quase tudo.

Mas às vezes esquecemo-nos que não é só dizer tudo... ele também já entende tudo. E tem bons ouvidos!

No outro dia, quando estacionava o carro no parque substerrâneo por baixo do meu prédio, vivi uma situação que me fez corar de embaraço.

Nesse parque, as garagens são quase todas abertas. Ou seja, existe lugar de estacionamento, mas não há paredes divisórias a separar. Apenas a risca amarela usual.

 

Há um rapaz que tem um carro e também uma mota de alta cilindrada. Para conseguir colocar os dois veículos no seu espaço de garagem, estaciona um à frente do outro. O resultado é que a parte dianteira do carro dele fica a sair para fora do lugar de estacionamento, mesmo à mercê de maçaricas como eu.

 

O meu lugar de estacionamento é muito perto e, todos os dias, para não bater no carro do rapaz eu tenho que fazer 300.000 manobras. Ás vezes enerva-me um bocado a situação, mas pronto. Lá vou dando um jeito.

 

Ontem, cansada e com o Vasco a refilar na sua cadeirinha (já não sei por que motivo), passei novamente pelo carro do rapaz e dei por mim irritada a falar sozinha:

 

- Raio do carro! Qualquer dia, sem querer, ainda lhe vou dar uma panada. 

- Qual carro mamã? - pergunta o Vasco.

- Este que está aqui... está com o focinho saído para fora do lugar. E qualquer dia leva no focinho... Não vai ser por mal, mas vai levar.

- No "fochinho", mamã?

- Sim... no focinho... está a portar-se mal e vai acabar por levar no focinho.

 

Isto passou-se. 

Estacionei o carro e esqueci o assunto.

Tiro o Vasco para fora da sua cadeirinha, e eis que deparo com o jovem a sair também do seu carro. Tinha estado a falar ao telemóvel dentro do veículo e saía agora.

 

Não tive tempo de impedir o Vasco, que correu para o jovem de dedo em riste:

- Potaste-te mal! Potaste-te mal! Agora vais levar no fochinho!!!

 

Ó chão!! Ó padroeira dos embaraços com crianças! Tirai-me deste filme!! 

Sorri ao jovem, agarrei no Vasco por um braços e fiz caminho para o elevador sem saber se ria ou se chorava.

Cuidado... muito cuidado com o que dizes mamã! Senão, qualquer dia quem leva no focinho és tu...

 

 

Sigam-me também em

8 comentários

Comentar post