Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

Bullying: esse monstro invisível (2ºparte com a minha história)

No dia em que descobriu que a filha era vítima de bulliyng, a minha mãe estava na varanda do nosso apartamento a estender a roupa. A dada altura olhou para baixo e viu na rua, perto da paragem do autocarro, uma menina a ser pontapeada por um bando de rapazes e raparigas.

Essa menina era eu. E o fenómeno já se vinha repetindo há alguns meses. Sempre no caminho da escola para casa. 

 

A minha mãe desceu rapidamente para a rua e encarou o bando de agressores. Insultou-os (sim, sei que não é bonito, mas dou-lhe vivas por isso), ameaçou-os à moda do norte (com muitos car... e fod...), disse que ia chamar a polícia e que até lhes batia se fosse preciso. 

Foi nesse dia que o meu suplício terminou. Nunca mais fui atacada. Uff...

Considero-me uma pessoa inteligente, sempre fui uma criança espontânea e sempre contei tudo aos meus pais. Contudo, naquela situação... não contei. E como eu, há tantas crianças assim...

 

Se  a minha mãe, por mero acaso, não tivesse ido estender a roupa naquele dia e naquele momento, ela não teria descoberto a situação, e eu não sei o que me teria acontecido.

Que tipo de pessoa eu seria hoje? Teria aguentado? Ainda estaria por cá? Talvez, mas as marcas seriam certamente maiores.

 

Por isso, repito: pais, estejam muito atentos.! As vítimas de bullying raramente contam. Por iso, usem todas as estratégias possíveis para descobrir e acabar esse "monstro invisível". 

 

Algumas estratégias:

 

- Envolvam a criança num clima de segurança emocional e diálogo que lhe permita sentir-se à vontade para contar os seus problemas.

- Dialoguem com os professores, funcionários e com os diretores de turma frequentemente, perguntando por exemplo, se estes têm notado mudanças de comportamento nos vossos filhos.

- Fiquem atentos, porque às vezes os "atrasos" e as "faltas às aulas" não têm nada a ver com desmotivação escolar: são apenas formas que os vossos filhos encontraram para não se cruzarem nos corredores com os agressores.

- Queiram conhecer os amigos e colegas dos vossos filhos. Eles podem saber (normalmente sabem) coisas que vocês não sabem sobre os vossos filhos.

- Convidem os amigos dos vossos filhos para irem a vossa casa lanchar ou jantar. Dessa forma, ficarão a saber com que tipo de pessoas eles se relacionam. E para além disso, conquistam a confiança dos amigos (pode dar jeito quando se pretende sacar informações, eh eh).

- Se o vosso filho vai sozinho para a escola, vigiem de vez em quando o percurso que ele faz, para terem a certeza que não anda a ser abusado durante esse percurso.

- Nos autocarros escolares também há bullying (falarei disso no próximo post). Falem com o motorista habitual e perguntem-lhe se tem visto alguma coisa "estranha". Vão levar, de vez em quando, o voso filho à paragem do autocarro e observem os miúdos que lá estão.

- Desconfiem, quando o vosso filho vos disser que "não quer ir para a escola a pé" ou se atrasa para não apanhar determinado autocarro. Podem ser estratégias (e eu sei do que falo porque eram as minhas estratégias) que ele usa para não se cruzar com os seus agressores. 

 

Por último, tentem conhecer os hábitos e os sentimentos dos vossos filhos. Façam perguntas, muitas perguntas... Mais vale serem considerados "pais chatos" do que terem uma situação de bullying a acontecer e vocês não saberem de nada. 

 

(Desculpem a repetição, mas achei que o post anterior estava muito longo e corria o risco de se tornar cansativo e não ser lido até ao fim. Daí ter dividido em duas partes)

 

Sigam-me também em

1 comentário

Comentar post