Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O último dia... do resto de uma outra vida

Novembro 11, 2018

O Triângulo Perfeito

  Faz hoje 3 anos que...


... almocei no restaurante self service habitual, com a madrinha do Vasco e comentei que estava farta de estar grávida.

... passei a tarde a sornar em casa e baldei-me à última consulta pré-natal, porque já estava "farta de ser remexida e não acontecer nada" :)


... tomei um banho de imersão às 20h para ver se o baby ficava com mais vontade sair (foi a última vez que tomei banho de imersão até hoje. Depois do baby nascer nunca mais tive disponibilidade...)


... preparei um jantar delicioso de carne assada com batatas e comi castanhas de sobremesa. Fartei-me de comer, como se não houvesse amanhã, porque era o dia de. S. Martinho e havia que festejar!

 

...  rebentaram as águas enquanto via uma série no sofá (isto pelas 22horas)


... tomei banho de novo, maquilhei-me e fomos para o hospital super entusiasmados, por volta das 11 da noite.

 

O Vasco não nasceu neste dia, mas foi por pouco... :)

Pelas 00h02 do dia 12 de novembro, o nosso menino estava a conhecer este mundo fantástico e louco em que vivemos.


Faz 3 anos que vivi o meu último dia de mulher sem filhos.


Saí de casa como filha, neta e esposa. Mas quando regressei do hospital eu já era outra pessoa: já e
ra MÃE! ❤️❤️

Dia 11 de novembro vai ficar para sempre na minha memória. É o último dia antes da viragem. Não foi o dia em que o Vasco nasceu, mas foi o último dia... antes de tudo mudar.

 

A cobra mais doce

Novembro 09, 2018

O Triângulo Perfeito

IMG_0905.JPG

 

O Vasco odeia sopa, seja de que tipo e consistência for.

 

Um dia desta semana, já cansada de tanto tentar, acabei por desistir e deixa-lo sair da mesa. Mas fiquei triste e com cara de amuada...(com um verdadeiro sentimento de deceção porque aquela sopa estava espetacular).

Estive algum tempo sem falar com o Vasco porque estava demasiado chateada para falar. 


Passado 10 minutos, ele vem ter comigo a rastejar no chão (tipo cobra) e ao chegar ao pé de mim diz: 
- Mamã, vais falar comigo? Já somos amigos outra vez? 

 

Raio do miúdo que me derrete o coração...

Sequelas da amamentação exclusiva

Novembro 08, 2018

O Triângulo Perfeito

Já aqui falei que não sou propriamente uma apaixonada pela amamentação exclusiva. Acho giro, acho engraçado, acho super saudável, percebo que gera momentos de grande ternura entre mãe e filho, mas... não estou emocionalmente dependente desse processo.

Ou seja... basicamente: gosto de amamentar, mas se pudesse reduzir a "coisa" a 3 ou 4 vezes ao dia, já ficava satisfeita. Não precisava de mais. 

 

Confesso: estou mortinha por aquele momento mágico de introduzir comida sólida. Até porque o processo de amamentar apesar de ser saudável traz consigo algumas sequelas:

 

Na primeira semana foram as dores no peito, as quais resolvi rapidamente: muito purelan na auréola e montes de palavrões à mistura.  De cada vez que o miúdo mamava com mais força e as lágrimas me chegavam aos olhos, eu dava início à "roda dos palavrões". 

 

Depois, passaram as dores e vieram as mamadas com intervalos super curtos.

Sinto sinceramente que atingi um patamar de excelência (ironia) na livre demanda, já que o baby mamava tantas vezes que eu desisti de vestir a camisola dentro de casa. Sorte que era verão...

 

Felizmente, não tive nenhuma mastite até hoje, mas vou acumulando outras "sequelas", como por exemplo:

 

- Dores nos pulsos (já aconteceu com o primeiro filho, deve ser da posição em que eu seguro o bebé);

- Dores nos músculos e articulações dos braços (idem)

- Cansaço extremo porque o baby continua a mamar com intervalos curtos (2h30/3horas)

- Falta de tempo para mim (é impossível organizar programas longe do bebé)

- Desespero por falta de horas de sono. Não imaginam o que é acordar de duas em duas horas para dar de mamar. Isto todos os dias, desde julho. Chega a um ponto em que já só ouço metade do que me dizem. Ando tipo zombie... E o meu mau feitio atinge níveis astronómicos.

 

Tenho visto muitos artigos pró-amamentação exclusiva,e às vezes sinto que esses artigos são um bocado "falsos".

O que é que eu quero dizer com isto?

Quero dizer que, na ânsia de convencerem as pessoas a "aderir ao leitamento exclusivo" esses artigos pecam por falta de informação. Falam nas vantagens do aleitamento materno, mas parece que passam um pano por cima das desvantagens. E elas também existem.

 

Portanto, o post de hoje é para vos dar uma panorâmica mais realista sobre o assunto :))

 

Vamos lá às vantagens de cada um dos processos. O que posso dizer-vos ( e isto vem de uma mãe que já experimentou as duas coisas, uma em cada filho) é que:

 

- O leite de fórmula é mais prático, menos desgastante e põe os miúdos a dormir melhor (o Vasco, com a mesma idade que o Xavier já dormia noites inteiras, era uma maravilha. Mesmo quando fazia apenas o leite em complemento da mamada, essa quantidade já o ajudava a dormir melhor)

- O aleitamento materno é mais barato (sim, temos que falar disso não é?), mais saudável para mãe/bebé e ajuda a diminuir as cólicas. Esta última vantagem é top, top, top... Quem já passou por aquela berraria de cólicas em que parece que estão a matar um porco, sabe do que é que eu falo...

 

Quanto a desvantagens...

- O leite de fórmula implica mais gastos e traz consigo uma logística própria (temos que andar sempre com o leite e os biberões atrás de nós). Para além de que gera mais gases e cólicas. Acrescento ainda que o leite de fórmula não é mais de que uma receita de laboratório. Por muito que se tente, a "fórmula" nunca será igual ao leite materno.

- O aleitamento materno é mais desgastante para a mãe porque o bebé vai acabar por mamar mais vezes e É UMA SECA. E o bebé dorme pior. Se acontecer como o nosso bebé que rejeitou o biberão, então é de loucos. Porque o vínculo mãe-bebé é impossível de desfazer e temos que andar com o baby para todo o lado (idas ao cinema é para esquecer, ah ah).

 

Apesar de tudo sou super a favor do aleitamento materno e voltava a repetir tudo de novo se fosse preciso (és muito masoquista rapariga...)

No meu caso, as vantagens do aleitamento (bebé saudável e zero cólicas) acabam apesar de tudo por superar as desvantagens. Embora seja um sacrifício (então a parte do dormir pouco, oh my god...) acredito que em breve as coisas vão melhorar e sei que um dia, me vou sentir orgulhosa e feliz por ter conseguido fazer isto (para já sinto-me apenas esgotada).

Adiante...

Apresentei aqui as vantagens e desvantagens de cada processo. Agora fica a cargo de cada um decidir o que é melhor para si. Todas as opções são válidas e aceitáveis. E o que é melhor para mim, não tem necessariamente que ser o melhor para os outros :)

E pronto. Mais um post enorme...

Tenho a capacidade de síntese do Bruno de Carvalho. E pensar que este era apenas um post sobre as sequelas da amamentação :))

 

 

 

 

 

Rebuçados para a tosse (ou como o filho nos topa a léguas)

Novembro 06, 2018

O Triângulo Perfeito

No domingo fomos ao hiper e, entre outras coisas, comprámos uns bonbons "Rafaelo" (adoro, adoro!). Fomos para o carro e, sorrateiramente, para o Vasco não ver (porque anda a comer demasiados doces) fomos comendo um a um. 


A dada altura perguntei ao Vasco se ele queria uma banana porque reparei que estava com fome.


- Não mama! Quero isso que tu estás a comer!
- Isto? O quê? (cara de surpresa muito mal fingida)
-.Esses coisos. Esses chocolates! (afinal, ele tinha reparado que estávamos a comer às escondidas)
- Arggg... isto não são chocolates (minto-lhe). São...são...rebuçados para a tosse!


Passado 30 segundos ouvimos:


- Cof, cof, cof!
Que se passa Vasco? Engasgaste-te?
- Não, mamã... tenho tosse... estou muito doente!! Podes dar-me um desses rebuçados para a tosse que tens aí?

 

Toma, mamã... Para aprenderes a não te armares em esperta...kkkk

Ultrapassei a barreira psicológica dos 4 meses

Novembro 05, 2018

O Triângulo Perfeito

IMG_0099 (2).JPG

 

O Xavier fez ontem 4 meses. E são 4 meses de amamentação exclusiva. Estou feliz, muito feliz. 

Acima de tudo sinto que o "pior" (dores iniciais, intervalos de amamentação super curtos) já passou. Agora sim: começo, finalmente, a desfrutar dos momentos a dois.

Com o Vasco (1º filho) a "maminha" terminou aos 4 meses... por isso tinha estabelecido para mim própria uma meta pessoal. Tinha como objetivo ultrapassar esse timing no segundo filho.

Dizia muitas vezes ao meu marido que se conseguisse amamentar o Xavier durante 4 meses + 1 DIA... já era uma vitória em relação à experiência anterior, eh eh :)

Com o Vasco a amamentação foi sempre mista (mama + complemento) e acredito que isso, juntamente com a personalidade dele (super ativo, não conseguia ficar mais que 3 minutos no colo) fez com que o aleitamento materno terminasse tão cedo.

Desta vez, parece-me que a "coisa" está para ficar. O Xavier adora mamar (até demais, pois não aceita biberão) e tem-se desenvolvido muito bem. E é uma dupla vitória porque não só consegui chegar aos 4 meses, como o fiz sempre em amamentação exclusiva, ao contrário do que aconteceu com o mano mais velho.

A meu favor, tenho o facto de nunca ter sofrido mastites por isso o processo não me custou muito.

 

Não posso dar receitas milagrosas porque não sou uma expert no assunto, mas no meu caso funcionou bem:

 

- Purelan (doses e doses nos primeiros dias)- empastar bem a auréola logo a seguir a uma mamada e deixar estar assim, meio peganhento até à mamada seguinte;

- Maminhas ao léu;

- Alternar as duas maminhas sempre, para não encaroçar a menos usada.

- Livre demanda (no meu caso foi até aos 3 meses; agora que o bebé já está mais crescido já vou "alargando" um pouco mais os intervalos)

A livre demanda, embora super cansativa, para mim foi muito importante... Primeiro porque estimulou bastante a produção de leite. Segundo, porque me livrou das mastites. Sempre que a maminha começava a ficar mais cheia e a querer "encaroçar", o Xavier mamava e desfazia o caroço.

- Extração de leite nas primeiras semanas: neste momento já não tenho necessidade porque a quantidade de leite que produzo está na medida certa daquilo que o Xavier mama (a ver vamos se assim continua...) Mas no início, houve alturas em que eu produzia mais leite do que aquilo que ele era capaz de mamar. Para evitar "caroços" e dores, em algumas ocasiões extraí leite após a mamada. Confesso que não gosto nada de extrair com a máquina, acho um bocado desagradável. Mas consegui retirar algumas vantagens dela.

 

Este não pretende ser um "bragging post". Estou apenas a relatar esta segunda experiência de amamentação, assim como relatei com detalhes a primeira experiência. Estou satisfeita, reconheço. E quero deixar aqui registado (porque este blog é também o registo das minhas memórias e sentimentos) a felicidade que sinto. Só isso... 

 

 

 

 

 

E foi assim... o nosso Halloween!

Novembro 02, 2018

O Triângulo Perfeito

Organizar um Halooween a preceito tendo dois filhos pequenos não é fácil. Mas com um pouco de entusiasmo, organização e... ajuda dos avós (que durante uma tarde ficaram com os netinhos), consegui criar um ambiente muito giro e assustador cá em casa.

Tudo começou dias antes com pesquisa na internet sobre receitas de Halloween. Com essa pesquisa fiquei a saber que a "halooween food" é todo um mundo paralelo de cor e diversão!

Selecionei algumas receitas e pus mãos à obra. Que é como quem diz, fui ao hiper comprar os ingredientes.

Precisei de duas idas ao hiper para comprar tudo. Isto porque, na primeira vez, levei o Vasco comigo e foi super difcíl afasta-lo do corredor dos brinquedos. Cheguei a um ponto em que desisti, porque não conseguia raciocinar direito, com o miúdo sempre a fugir-me para lá.

Na segunda vez, já levei uma listinha e fui sozinha. Thanks god! Dessa vez, consegui comprar tudo.

Três dias antes do Halloween pus a mesa. O meu marido ria-se a bom rir. "A sério? Já vais pôr a mesa?" Mas eu sabia bem o que estava a fazer. Algo me dizia que no próprio dia iria ser impossível dar conta de tudo. Por isso, decorei a casa toda, pus a mesa e cobri a mesma com um pano para não apanhar pó.

Só o Vasco é que estava muito confuso... "A festa é hoje mamã?"

Não... - respondi-lhe -  É dó daqui a três dias! (cara de espanto dele...)

 

Quanto às receitas, vou colocar aqui as imagens catitas (já me chibei toda no instagram e na página de facebook, mas aqui vão ver melhor). Peço desculpa pela fraca qualidade das fotos, e também pelo baixo nível de perfeição dos pratos, mas o que interessa é a intenção, certo? :)

Ora aqui vai:

 

ENTRADAS

 

Dedos de feiticeiro

IMG_20181031_202455.jpg

 Sepulturas de vítimas

IMG_20181031_202504.jpg

 Estacionamento de vassouras de bruxa

IMG_20181031_202509.jpg

 

Sopa de Sangue do Hulk (sopa de ervilhas, kkk)

IMG_20181031_211715.jpg

 

 PRATO DE PEIXE

Cabelos de Bruxa com baratas (Esparguetti nero com gambas)

IMG_20181031_220113.jpg

PRATO DE CARNE

Os braços do Zombie (lombo de porco assado com carne picada)

IMG_20181031_220812.jpg

 Menu infantil: Arroz com recheio de pimentos demoníacos (carne picada à bolonhesa)

IMG_20181031_202450.jpg

SOBREMESA

Fantasminhas de banana, aboborinhas malucas e dentaduras do diabo (maçã)

IMG_20181031_225152.jpg

A decoração

 

IMG_20181031_203459.jpg

 

Aqui ainda faltavam os copos... Ainda tinhamos uma abóbora gigante e outros adereços. 

Resumindo... foi giro!! Muito giro! Deu uma trabalheira, mas acho que valeu a pena :))

 

Pág. 3/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me também em

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D