Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

O Triângulo Perfeito

Sou uma mulher no meio de três homens. Vértices de uma constelação de amor, eles são o meu triângulo perfeito.

Plano de Parto

Na sexta-feira passada tivemos a nossa "consulta de plano de parto" no Centro Hospitalar da Póvoa de Varzim e Vila do Conde. 

Estas consultas são uma prática comum neste hospital, que não só aceita bem os planos de parto, como incentiva as futuras mães a fazê-los. 

Iamos um bocado nervosos, nem sei bem porquê.

Eu levava uma folha rabiscada cheia de pormenores e anotações sobre o que queríamos/não queríamos que nos fizessem naquele "dia especial". 

Na hora H (momento da consulta) decidi não colocar imediatamente as minhas notas em cima da mesa e ouvir primeiro as explicações da simpática enfermeira que nos atendeu. 

Ainda bem que o fiz pois percebi que neste hospital já existe um modelo de plano de parto completo, bem feito e simples de entender. 

Como o hospital já segue as diretivas da OMS no que diz respeito à Humanização do Parto, o Plano de Parto deles já era excelente, pelo que não tive necesidade de acrescentar mais nada. 

O bloco de notas que trazia comigo, acabou por não sair da carteira. 

Agora é fazer figas para que corra tudo bem. 

Sabemos que o plano de parto não é garantia que as técnicas e procedimentos sejam feitos tal e como gostaríamos. Há muitos factores, durante, um parto, que podem ocasionar desvios ao mesmo.

Mas pelo menos tenho noção de que existe um carinho enorme, e uma vontade tremenda de respeitar os desejos da nossa família, na medida do possível.

 

 

 

A saga do carrinho - parte III

Lembram-se da saga do carrinho de bebé

Aquele carrinho espetacular que comprámos com todo o entusiasmo para depois percebermos que... NÃO CABE na mala do carro? :)

Na altura, pensámos em várias soluções para acomodar o carrinho, mas nada resultou.

Depois de panicarmos um bocado, chegámos a conclusão que...

 

Tcharam:

 

Se retirarmos a parte de cima da mala (basicamente, aquela tampa que impede que o resto da humanidade veja o conteúdo da bagageira) conseguimos colocar o carrinho no carro.

Portanto, basicamente, se virem um Ford a andar na estrada sem a parte de cima da bagageira e com um carrinho lá enfiado... há grandes probabilidades de ser o nosso...

 

(Continuo a achar que vendermos o nosso carro para comprarmos outro com uma mala maior era uma ideia excelente, mas o marido não foi na conversa...)

 

Agora outra coisa...

 

O marido leu (coisa rara...) o post do carrinho e talvez porque falava de automóveis, logo se meteu ao barulho sugerindo algumas correções.

Portanto, e para não ofender os sentimentos do marido (pois já percebi entretanto que dizer mal do carro de um homem é quase como por em causa a sua masculinidade), aqui ficam as "emendas" ao post, kkkk:

 

- "O nosso carro não é um chaço: é quando muito uma relíqua ou uma antiguidade"

Ok, já percebi marido. Se eu continuar a dizer mal do chaço, quer dizer carro, depois não há OLX que nos salve.

 

- "O nosso carro não é de 1997, mas sim de 2001!"

Bem, isto só vem provar algo que eu já sabia, que é... não ligo nenhuma a carros. Nem a idades de carros. Nem a marcas. Basicamente, só quero é que eles andem. E tenham as rádios fixes bem sintonizadas.

Também se poderá alegar que a minha mente estagnou algures entre o fim do liceu e o início da universidade. Talvez tenham sido os shots que tive de beber por ser caloira. Ou o rally das tascas. Mas pronto, 1997 pareceu-me uma data a fixar.

 

- "Tu não devias andar a dizer às pessoas que o nosso carrinho não cabe na mala do carro. Parece mal."

Bem, as pessoas que leem este blogue já sabem que aqui só vão ler a verdade, e nada mais que a verdade. Eu gosto de ser e de escrever assim...

Podem ler sobre miúdos ultra bem comportados, quartinhos Montessori, métodos de educação infalíveis... noutros blogues. 

E é assim pessoal! 

Um abraço deste triângulo, prestes a tornar-se "quadrado". 

(ainda não percebi como é que me vou desenrascar com a questão do nome do blogue, mas hei de arranjar uma solução!)

 

Sigam-me também em